A poética da resistência nos poemas sobre a Guerrilha do Araguaia: o corpus do jornal Resistência

  • Ivania Melo Universidade Federal do Pará - UFPA, (Brasil)
  • Tânia Sarmento-Pantoja Universidade de Lisboa, (Portugal)

Resumen

Este artículo analiza dos poemas que tienen como tema la Guerrilla del Araguaia, que integran un conjunto de textos poéticos publicados en el periódico Resistencia, en febrero de 1979, en Brasil. El análisis consideró los aspectos históricos relacionados al tema y la constatación de la cuestión central: qué elementos presentes en los poemas permiten ubicarlos dentro de una poética de la resistencia.

Palabras clave:

Guerrilha do Araguaia, Resistencia, Poema, Memoria

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor

Ivania Melo, Universidade Federal do Pará - UFPA

Tânia Sarmento-Pantoja, Universidade de Lisboa

Universidade Federal do Pará - UFPA, Brasil.

Universidade de Lisboa, Portugal.

 

Citas

A guerrilha do Araguaia. História da Guerrilha do Araguaia. (agosto de 1978). Resistência, 5, pp. 9-14.

Bertolino, O. (2011). Maurício Grabois e os devaneios de um jornalista. Vermelho. Recuperado de: https://vermelho.org.br/2011/04/22/bertolino-mauricio-grabois-e-os-devaneios-de-um-jornalista/

Carvalho, L. (fevereiro de 1979a). Exclusivo. Resistência, 9, p. 24.

Carvalho, L. (fevereiro de 1979b). Os poemas da guerrilha do Araguaia. Resistência, 9, p. 24.

Carvalho, L. (julho de 1979c). Nota aos leitores. Resistência, 10, p. 2.

Carvalho, L. (abril de 1980a). Guerrilha do Araguaia: Granada do Exército mata e mutila lavradores. Resistência, Ano II, 11, pp. 18-19.

Carvalho, L. (dezembro de 1980b). Na trilha do “povo da mata”. Resistência, Ano III, 19, pp. 5-8.

Bosi, A. (1977). O ser e o tempo da poesia. (pp. 181-182). São Paulo: Cultrix, Ed. Da Universidade de São Paulo.

Bosi, A. (2002). Narrativa e Resistência. In A. Bosi. Literatura e resistência. (pp. 118-135). São Paulo: Companhia das Letras.

Brasil (2009). Dossiê Ditadura: Mortos e Desaparecidos Políticos no Brasil (1964-1985). (pp. 403 e 520-521). São Paulo: Imprensa Oficial.

Brasil (2014). Comissão Nacional da Verdade. (pp. 714-715). Brasília: CNV.

Campos, L. (1980). Primeiras Cantigas do Araguaia (Folheto). Recuperado de: http://www.docvirt.com/docreader.net/DocReader.aspx?bib=BibliotBNM&PagFis=21032&Pesq=

Ceia, C. (2018). E-Dicionário de Termos Literários. Lisboa: NOVAFCSH. Recuperado de: https://edtl.fcsh.unl.pt/encyclopedia/romance/

Diário da Guerrilha do Araguaia (1985). São Paulo: Editora Alfa-Omega.

Diário de Maurício Grabois na Guerrilha do Araguaia (2014). Fundação Maurício Grabois. Recuperado de: http://www.grabois.org.br/portal/especiais/136883-44738/2014-04-10/diario-de-mauricio-grabois-na-guerrilha-do-araguaia

Dória, P., Buarque, S., Carelli, V. e Sautchuk, J. (1978). A guerrilha do Araguaia. História Imediata. São Paulo: Alfa-Omega.

Encontrem Jana! (fevereiro de 1979). Resistência, 9, pp. 18-19.

Familiares de mortos e desaparecidos na guerrilha do Araguaia (1980). Apresentação. In L. de Campos. Primeiras Cantigas do Araguaia. (p. 4). Centro Mineiro de Cultura Popular. Recuperado de: http://www.docvirt.com/docreader.net/DocReader.aspx?bib=BibliotBNM&PagFis=21032&Pesq=

Fernandes, V. (Direção). Oka Comunicações (Produção). (2010). Camponeses do Araguaia: a guerrilha vista por dentro. [Documentário (73 min.), son., color]. CDM Centro de Documentação e Memória, Fundação Maurício Grabois. Vermelho. Recuperado de: https://vermelho.org.br/2013/10/15/camponeses-do-araguaia-a-guerrilha-vista-por-dentro/

Fiorin, R. P. (2008). A relação dialógica entre “Palavras de Pórticos” e “Os Argonautas”. Travessias, 2(1). Recuperado de: http://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/2931

Gaspari, E. (2002). A floresta dos homens sem alma. In E. Gaspari. A ditadura escancarada. (399-464). São Paulo: Companhia das Letras.

Getz, Y. (2000). Poésie de la résistance, résistance du poete. French Forum, 25(3), 349-364. Recuperado de: https://www.jstor.org/stable/40552152?seq=1

Halbwachs, M. (1990). A memória coletiva. (p. 54). São Paulo: Edições Vértice.

Jutgla, C. (2013). A Poesia de Resistência à Ditadura Militar (1964-1985): Algumas Reflexões. Elyra – Revista da Rede Internacional Lyracompoetics 2, 73-97. Recuperado de: https://www.elyra.org/index.php/elyra/article/view/27

Melo, I. (2018). Araguaia em verso e prosa: os poemas da guerrilha veiculados pelo Resistência (o jornal em defesa dos Direitos Humanos) (Dissertação de mestrado). UFPA, Belém.

Monteiro, A. (Org.) (2005). Guerrilha do Araguaia. São Paulo: Editora Anita Garibaldi.

Morais, T. e Silva, E. (2012). Operação Araguaia:os arquivos secretos da guerrilha. São Paulo: Geração Editorial.

Nahas, N. M. (2017). O confinamento em Grades: a poesia como resistência. Nau Literária, 13(1), 71-84. Recuperado de: https://seer.ufrgs.br/NauLiteraria/article/view/75461/46906

Neto, J. (setembro de 1978). A guerrilha do Araguaia. Resistência, 6, p. 23.

Nossa, L. (2012). Mata!: o Major Curió e as guerrilhas no Araguaia. São Paulo: Companhia das Letras.

O que foi, afinal, a guerrilha do Araguaia (novembro de 1979). Resistência, 3, pp. 10-11.

Paraenses torturados. (agosto de 1978). Resistência, 5, pp. 16-25.

Por que tanto segredo? (agosto de 1978). Resistência, 5, p. 13.

Portela, F. (2002). Guerra de guerrilhas no Brasil: a saga do Araguaia. (pp. 78-79). São Paulo: Editora Terceiro Nome.

Pum-pum, tá-tá-tá-rá-rá-rá: Índios Suruí, batedores do Exército, narram a guerrilha. (agosto de 1978). Resistência, 5, p. 14.

Sá, G. (2004). Araguaia: relato de um guerrilheiro. São Paulo: Anita Garibaldi.

Salgueiro, W. (2007). Lira à brasileira: erótica, poética, política. Vitória: Edufes.

Salgueiro, W. (2010). A poesia brasileira como testemunho da história (rastros de dor, traços de humor): a exemplo de Chacal. Texto poético 9. Recuperado de: https://issuu.com/textopoetico/docs/rev-textopoetico-v9-2010

Savino, A. (1973). Forma e conteúdo na poesia de Cecília Meireles. Curriculum, 12 (1), 9-22. Recuperado de: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/curriculum/article/view/62345/60470

SDDH (1977). O Estatuto da SDDH. Resistência, 0, p. avulsa.

Seligmann-Silva, M. (2003). O testemunho: entre a ficção e o “real”. In M. Seligmann-Silva (Org). História, Memória, Literatura: o testemunho na era das catástrofes. (pp. 371-385). Campinas: Editora da Unicampi.

Studart, H. (2006). A lei da selva. São Paulo: Geração Editorial.

Teles, J. A. (2014). Os segredos e os mitos sobre a Guerrilha do Araguaia (1972-1974). História Unisinos, 18(3), 467. Recuperado de:

Vital, J. (16 a 31 de maio de 1983). A volta do ex-guerrilheiro ao Araguaia, 11 anos depois. Resistência, Ano VI, 55, p. 13.
Publicado
2020-12-01
Cómo citar
Melo, I., & Sarmento-Pantoja, T. (2020). A poética da resistência nos poemas sobre a Guerrilha do Araguaia: o corpus do jornal Resistência. Aletheia, 11(21), e064. https://doi.org/10.24215/18533701e064
Sección
Dossier: Literaturas, memorias, testimonios